sexta-feira, dezembro 30, 2005

A fala não é "descolada" do ser, eqto a escrita o é

Lendo o livro Pedagogia dos Monstros, organizado por Tomaz Tadeu da Silva, resolvi escrever algumas palavras
As tecnologias vem possibilitando outras colgens e descolagens, como no momento que a fala vira uma voz no rádio. No entanto, novas colagens se forma, sempre há um contexto "colado" à fala, à voz e ao sujeito (?). Semelhantemente, no blog, a escrita se "descola" da fala e do sujeito, mas a "cola" em quem o sujeito se diz ser (profile, fotos, links a outros blogs, sua história nos posts) e o contexto que se cria em volta dele (referências a outros blogs, citações de outros e comentários dos blogueiros). Com certeza este contexto tem algo a ver com o que o sujeito "realmente" é, não acredito que se criem identides fictícias, ou pelo menos, que seja muito difícil mantê-las... mesmo q elas tenham algo de fantasioso, algo q não realizariam (q não falariam, q não escreveriam) em outro lugar (acho q aí é uma característica da tecnologia como estruturante de outras formas de ser), mas sempre está colado ao ser que o faz.

isto faz sentido?

as diferenças

não são motivo para discórdia, e sim para aprendizado

(de um grande amigo meu...)

quarta-feira, dezembro 14, 2005

a reflexão é um processo coletivo

"a reflexão não é apenas um processo psicológico individual, uma vez que implica a impersão do home no mundo da sua existência, um mundo carregado de valores, intercâmbios simbólicos, corrrespondências afetivas, interesses sociais e cenários políticos"(PIMENTA, 2005, 24)
"a reflexão é necessariamente um processo coletivo" (PIMENTA, 2005, 26)
PIMENTA, S G. Professor reflexivo: construindo uma crítica. In.: PIMENTA, S; GHEDIN, E (orgs) Professor refelxivo no Brasil: Gênese e crítica de um conceito. São Paulo : Cortez, 2005.

sábado, outubro 08, 2005

reflexões... ou escritas?

às vezes, de muitas coisas a fazer, a escrita e a reflexão acabam sendo sacrificadas...
por outro lado, vou me dando conta de certas coisa: cada vez mais vejo o qto estão desarticuladas a escrita da reflexão: não escrevi, mas refleti muito!
claro que, eu, não consigo escrever sem refletir....

bom, tb tem o fato de q, enquanto não escrevia aqui, eu estava com intensa coleta de dados da dissertação, o que me leva muito a refletir

fiquei pensando em uma coisa: nestes últimos dias, aconteceram duas coisas que dou destaque: estou relendo um livro que acho muito interessante e, houveram várias brigas no grupo de pesquisa. Impressionante como as brigas me levaram a refletir mais do que sobre o livro que eu adoro!

ao mesmo tempo, vejo tanta escrita vazia, sem reflexão alguma...

sexta-feira, setembro 23, 2005

aulas III

Denovo aula de Boni, agora na sexta-feira: usando máquina fotográfica, gravador digital e filmadora
Os alunos estão se organizando em equipes para participar do II Fórum Baiano de Software Livre e I Fórum Baiano de Inclusão Digital, vão produzir vídeos, impressos e página de internet.

(não deu p publicar aqui muitas fotos pq o espaço é limitado...)

Boa sorte!!!

aulas II

Aula de Maristela, na quinta-feira: conversando um pouco sobre blogs

aulas I

Aula de Boni, na terça-feira: usando máquina fotográfica, gravador e filmadora


quinta-feira, setembro 22, 2005

Blogs

O que é um blog?***
Weblog: Web (rede, teia) e Log (registro). A palavra pode ser usada para quaisquer registros freqüentes de informações feita no meio on line. Os usuários que mantêm esses registros em sites da Internet são chamados de "blogueiros".
facilidade de criação e de atualização
veiculação da informação em tempo real, organizada cronologicamente
possibilidade de interação com o leitor, que pode emitir comentários, críticas, sugestões, mandar recados. Isto pode ser agregado a inúmeros outros recursos, que veremos no decorrer

Popularização dos blogs
expressão, identificação e individualidade
Um pouco mais de azul. http://umpoucomaisdeazul.blogspot.com O meu blog. Porque me apetece
reconhecimento e incentivo, estímulo
Um prego no sapato. http://henrique-jorge.blogspot.com Sua razão de ser
A memória flutuante http://memoflu.blogspot.com/ Porque (20/09)
A destreza das dúvidas

Como criar um blog?
weblogger.terra.com.br
blogger.com
(tutoriais)

Para que serve um blog?
* Registro
Pedagogia na rede - Sydnei Rodrigues: http://pedagogianarede.blogspot.com/ Agosto 25, 2005

* Divulgação
ABED - Wilson Azevedo http://abed2005.blogspot.com/

(aspecto público da web - interioriedades que se tornam exterioridades)

* Notícias - revolução no jornalismo (que virou on-line)
Blog do Tas -versão para a rede do programa homônimo apresentado pelo jornalista Marcelo Tas na rádio Brasil 2000: br2000.anhembi.br/blogdotas
o jornal impresso não é a mesma coisa do blog, do mesmo jeito q o "diário de bordo" não é a mesma coisa que o blog

* Reflexões
Leitura do Dia -o estudante Rodolfo S. Filho confronta opiniões de textos tirados de sites inimagináveis: leituradia.blogspot.com

escrever a quem?

Muitos são pessoais, intimistas, veiculam idéias ou sentimentos do autor.
Alguns são voltados para diversão e outros, utilizados em situação de trabalho; há também aqueles que misturam tudo. Mas, em geral, enfocam um tópico ou área de interesse para quem os escreve.

* Comunicação

Como nós, educadores, podemos nos utilizar dos blogs?
Entre professores
Os (In)docentes. http://blogdosindocentes.blogspot.com/

Com alunos: o que se quer: informes ou trabalho colaboratio?
Vidas Secas. Marli. http://vidassecascolbachini.zip.net
EDC266. http://edc266.zip.net

Entre alunos
Acelera 2005. http://acelera2005.blogdrive.com
BlogUÉ. http://blog_ue.blogspot.com



Para discussão
A criação é um processo
Deve valorizar a autonomia e emancipação dos participantes: as tecnologias não devem ser mais um sistema de opressão e para a educação bancária
Valorizar a linguagem dos alunos
Ver, reconhecer e aceitar o outro
A coletividade não é oposta às individualidades
Voyeurismo na rede
Deve ser uma atividade agradável e que não termine após a disciplina, ou não, afinal, pode fazer qtos quiser
Formam-se comunidades
Pode criar sobre o motivo que quiser
Corrigir erros? quem? quem interage (todos) critica, sugere
Relevância da experiência
blog como avaliação
instrumento de democratização
capacidade de argumentação, dificuldadede escrita, LER
Localidade (espaço?)
As tecnologias garantem a aprendizagem? lógica linear, realidade complexa
Para mim ou para os outros, sozinho ou com quem, com fórum, permite ou não o comentário, vários recusros: Somos nós que criamos a nosssa significação de nosso blog!

quarta-feira, setembro 21, 2005

conversa entre professores

Miguel Pinto, no OutroOlhar, no dia 19 de setembro, puxa um comentário de um amigo e direciona uma nova postagem:

"Segunda-feira, Setembro 19
O professor operário
Após o comentário do João [entrada mais em baixo] decidi recuperar este artigo de opinião [provocador q.b] do Dr. Daniel Sampaio.

"A lista de professores
As recentes decisões do Ministério da Educação não suscitaram apoio significativo da maioria dos ..."
Será que este texto [não o dissocio das medidas que o suscitaram] fez despoletar o alarme da dignificação da função docente?"

Este texto tem 6 comentários, a maioria da mesma pessoa. Este foi um tema que sucitou muitas conversas entre os blogueiros...

terça-feira, setembro 20, 2005

o tema da vez: as 35 horas semanais

Parece que o governo portugues mudou a carga horária de trabalho dos professores e isto foi tema de discussão:
Os (In)Docentes
Outro olhar

segunda-feira, setembro 19, 2005

didática da invenção diz adeus...

ó ceus, tem vezes que este blog ganha um ar fúnebre, até parece um obituário...

hj, dando uma olhada no Didática da Invenção, vi que ele disse adeus
parou de blogar pq haviam tantas outras coisas a fazer que o blog sobrou, o blog é que paga...
"Quinta-feira, Setembro 08, 2005
Entrei para o mestrado, fui eleito Coordenador do Conselho de Docentes, tenho componente não lectiva para cumprir na escola e parece que tenho aulas para dar, sou pai, sou companheiro da minha companheira, sou, sou, sou.
No meio disto tudo, vai sobrar pouco tempo. O blog é que paga..."

meus amores na semana farroupinha



Meus queridos: meu lindo irmão e minha adorável cunhadinha...




... e esta linda gauchinha

Amores da minha vida!

saudades dos meus, de minha família, de todos estes que amo tanto...

segunda-feira, setembro 05, 2005

Técnica, processos sociais e formação de professores: o aparato técnico determina a reflexão entre professores em blogs?

Olha o resumo do artigo sobre a técnica:
O aparato técnico determina a reflexão entre professores em blogs? São elementos técnicos que constrangem os movimentos de professores em blogs ou o constrangimento é parte de uma ressignificação social em movimento? Estes são alguns questionamentos levantados por este artigo, que visa apresentar elementos que auxiliem na compreensão sobre a influência/interdependência da técnica com o objeto de pesquisa "Reflexão entre professores em blogs", que se apresenta como objeto de estudo de dissertação de mestrado de Adriane L. Halmann, no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Bahia, orientada pela Professora Maria Helena Bonilla. Para tanto, este artigo fará uma breve leitura sobre a técnica e as implicações dela com o homem e a contemporaneidade, bem como a relação entre os blogs e a formação de professores, como movimentos histórico e socialmente constituídos.

Blog FAQ - Dicas para Blog

http://www.interney.net/blogfaq.php

a febre dos vlogs

http://videolog.tv/conexaoxxi

http://p.php.uol.com.br/tropico/html/textos/2639,1.shl

quarta-feira, agosto 31, 2005

virei tema de aula

quer dizer, é quase isso: Sidney mostrou os blogs do grupo p seus alunos:
http://pedagogianarede.blogspot.com/
no dia 25 de agosto

Uns vão, uns vem, outros mudam de cara - Angústias de um professor

Angústias de um professor ( http://angustiasdeumprofessor.blogspot.com/) Um Piano na Floresta no dia 25 de agosto

Quinta-feira, Agosto 25, 2005

Casa Nova

Este é o meu último post no Angústias. Dois anos e alguns dias após o início do Angústias de um Professor, decidi mudar de nome, de casa e de imagem. O nome "Professor Angustiado" deixou de fazer sentido no contexto pessoal e profissional que actualmente vivo. Assim, o meu blog pessoal renova-se, passando a intitular-se Um Piano na Floresta, nome que reúne duas grandes paixões do autor (a música e a natureza) e expressa de uma forma mais apropriada o seu actual estado de espírito.

Bem-vindos à casa nova do Fernando!

Mais um adeus - fio de ariana

Hoje vi, com muito susto, que o Fio de Ariana(http://fiodeariana.blogspot.com/) disse adeus.
Ele foi um dos que eu já havia entrevistado, tivemos uma longa e prazeirosa conversa, lhe passei o endereço de um professor daqui, foi realmente gratificante.
Mas parece que é isso mesmo. O Destreza das dúvidas (http://aguiar-conraria.weblog.com.pt/) está blogando com toda a vontade. Parece que é questão de fluxo. Uns vão outros ficam, outros vem, outros até voltam.
Hugo (Clio) disse adeus no dia 15 de agosto. Hoje tinham 11 comentários, todos desejando boas novas experiências.
Ele tem uma "Rede" formada pelo Professorices, Que universidade, A destreza das dúvidas, Um pouco mais de azul. O último post do Professorices foi no dia 10 de agosto. Que universidade parece estar de férias em um lugar com internet meio difícil, então tem postado pouco. A Destreza das dúvidas vem postando regularmente, mas nada referente. Um pouco mais de azul (muito gostoso de ler) estava de férias de 15 a 14 de agosto, talvez nem tenha visto, depois não falou nada.
Então, quem são as 11 pessoas q comentam o adeus?

terça-feira, agosto 30, 2005

trackback

Q: What is trackback?
A: Wikipedia defines trackback as follows:
Trackback is a system [...] that alerts and allows a blogger to see who has blogged about posts on his or her blog. The system works by sending a 'ping' between the blogs, and therefore providing the alert.

http://www.haloscan.com/faq/faq.php?category_id=3

coisas legais q se encontra por aí...

O Jorge Moraes (http://6em1.blogspot.com/)colocou músicas em seu blog, feito uma rádio!

Sem falar q começou, no dia 29 de agosto, uma nova fase:

"Hoje começa uma nova fase deste blog. Ao contrário do que fazia antes, em que reservava um dia para cada tipo de texto, vou passar a fazer tudo misturado. Ou seja, vai ser conforme o sítio para onde estiver virado. Os temas vão ser numerados, em vez de manterem a designação anterior da semana e dia.

Hoje estou virado para um conto. Assim seja."

tb tem um sistema de citação:

Trackback URL for this entry:
http://haloscan.com/tb/jorgemorais/112532773504737935

gestão de pessoas no ciberespaço?

A poucos dias, em uma lista que participo, aconteceu o seguinte: uma integrante do grupo criou uma lista de discussão para discutir alguns assuntos específicos de seu interesse, e convidou o resto do grupo, assim como outros grupos que participa. Uma professora do grupo de pesquisa prontamente respondeu que se interessava pelo tema mas que já estava inscrita em mais de 30 grupos e que havia recebido a mesma mensagem por 3 deles.

Esta é uma questão que me intriga: como funciona o "gerenciamento de pessoas" na cibercultura? (odeio essa coisa de "gerenciamento de pessoas" pois acho que aqui ninguém precisa "gerenciar" ninguém)
Logo q li a resposta da professora, fiquei pensando: "Ora bolas, se recebeu em 3 listas é só ler uma e deletar as outras..." Afinal, qtas pessoas olham os 3 noticiarios da redeglobo e não se encomodam de ver 3 vezes a mesma notícia? Mas depois fui me dando conta de q não é bem assim...
Será q seria necessário impor "Normas de comunicação na comunidade virtual"? Nessas horas lembro de uma amiga, Rozane, e do qto ela chingava a tal da netiqueta (grande vedete de algum tempo atrás)... Comentei coisa parecida em outra lista e uma moça disse q achava bom q existissem normas, padrões, pois ela se encomodava em chegar em casa e ler os e-mails q respondiam sem deletar o resto da mensagem (o q eu já acho bom, pois leio o último e-mail e já sei tudo o q rolou antes)
E então, como gestamos as relações entre as pessoas no ciberespaço? Como é essa cultura que vive se refazendo?
inquietações...

segunda-feira, agosto 29, 2005

tem q treinar para aprender

hj eu ouvi uma senhora conversando com o filho:
"-Sai daí, vc não sabe fazer isso!
-pq?
-pq vc não terinou. Tudo o q agente quer aprender tem que treinar. Se vc treinar, vc consegue aprender o q quiser"

são pérolas dessas q me fazem pensar o que é mesmo educação?

quinta-feira, agosto 25, 2005

blogs e acessibilidade

Hj eu encontrei um blog interessante: http://projetando.blogspot.com
A autora conseguiu colocar uma opção para ouvir os posts. É meio difícil de entender o q a voz fala, mas já é um grande passo para a leitura de blogs por deficientes visuais.
Ainda vou descobrir como faz isso...

segunda-feira, agosto 22, 2005

Sorte nos dados

Pois é, na última Veja, temos uma entrevista com James Watson que junto de Francis Crick (e de outros colaboradores, como a incansável Roselyn Franklin, completamente esquecida pela revista) publicou, em 1953, a estrutura do DNA.
Gostei muito de algumas respostas dele (das perguntas já não posso dizer o mesmo...). Destaco:
"Muitos acreditam que somos todos iguais, que, com boa escola e boas condições sociais, todos aprenderão da mesma forma" Fiquei lembrando de tantas vezes que ouvimos que o computador vai fazer com que as pessoas aprendam... Em contrapartida, lembrei de uma palestra de Teófilo Galvão Filho, sobre tecnologias assistivas, onde ele apresentou algumas tecnologias que fazem com que aquelas pessoas (DM por exemplo) possam se comunicar, sendo então determinantes para o aprendizado; ao mesmo passo, a mesma criança, que não está em um ambiente que provê tais condições estaria fadada a vegetar...
"Veja-Não há sempre o perigo de essas tecnologias serem usadas por ideologias racistas? Watson - Tudo pode ser usado para o mal, masisso não é motivo para parar o progresso" Acho que a grande sacada é olhar para as coisas como coisas sempre novas
"Algumas mulheres tivera mais sorte no jogo de dados genético do que outras"
Mas o mais legal de tudo foi ele falando de seu livro (DNA - Companhia das Letras)"Em meu livro DNA, quase não discuto esse tema, pois ainda não há muito que dizer sobre isso em um texto de diulgação científica. Mas, como eu digo no próprio livro, ele está destinado a se desatualizar" Olha a grande sacada aí: tudo está em constante reconstrução, coisas novas surgindo, coisas velhas sendo ressignificadas, a desatualização seria então parte de um constante reconstruir.

quarta-feira, agosto 17, 2005

revista-blog?

Ale (http://notinhas.weblogger.com.br/) me passou uma revista on-line que é feita em cima de um blog
ComCult: http://www.comcult.blogger.com.br/

sábado, agosto 13, 2005

o q é mesmo o coletivo?

por muito tempo acreditei no poder da coletividade
mas cada vez que se tenta elaborar ações coletivas, ou um faz, ou não acontece.

será que a coletividade existe? será que ela realmente é mais do que a soma dos individuais? o que será esta alquimia que faz o todo não ser só um mais um? por que será tão difícil o todo funcionar organicamente?

será q é pq tudo tende ao caos?

ao mesmo tempo temos aquela idéia de comunidades virtuais: as comunidades só se estabelecem se for de dentro p fora...

sexta-feira, agosto 05, 2005

Alunos de licenciatura precisam de informática?

Esta semana descobri que, na faculdade onde fiz minha graduação (UFSM) tiraram do currículo de Ciências Biológicas a única disciplina que falava sobre tecnologias (acho que o nome era introdução à informática). O que aconteceu foi que ela ficou meio sem professor, acabou que um técnico foi dar as aulas, sem entender direito o que aqueles alunos queriam com a coisa... Acabou que a disciplina foi extinta.

É uma pena que a disciplina foi retirada, pode se fazer coisas muito interessantes com ela, condizente com o contexto contemporâneo. Claro que existem vários problemas (como o acesso), mas as tecnologias nos apontam para coisas que devemos repensar, como os currículos escolares, as autorias, a colaboração, os papéis dos professores frente aos alunos e vice-versa, o saber científico, e por aí vai... É realmente uma pena que tenha sido extraída do currículo. Acho que pensam que, se o professor não é legal, a disciplina não presta...

quinta-feira, agosto 04, 2005

Comunidades Virtuais e Educação a Distância

Considero que a educação a distância só vai ser efetiva quando for significante aos que nela se inserem. Sendo assim, acredito que a educação (em qualquer de suas formas) não se basta em transmissão. Devemos levar em conta a implicação, interesses comuns, os aspectos inter-relacionais do espaço simbólico, o agrupamento em torno de objetivos, crenças e aspirações comuns.
Assim, indico a leitura do artigo "Comunidades virtuais eletrônicas: convergência da técnica com o social" de José Carlos Ribeiro. Ele não fala de educação a distância, mas nos aponta que os movimentos que envolvem agregações sociais na web devem levar em conta a construção de um projeto comum como elemento agregador e potencializador das dinâmicas sociais constituídas nestes espaços de convivialidade (pg7). Além de falar da convergência das possibilidades técnicas com aspectos sociais, Ribeiro também aponta a questão do poder e controle dentro deste espaços, de alterações nas relações sociais estabelecidas ali, a imprevisibilidade que caracteriza a reconstituição contínua, a transformação da apropriação técnica do social e a influência recíproca entre os aspectos técnicos e os fatores sociais.

Intervenção artística

Me revolto como as pessoas são acostumadas a ver absurdos e baixar a cabeça, ver sua opinião, autonomia, vontade prórpia, serem esmagadas por poderes que não sei como se criam. Ou melhor, não sei porque deixamos estes poderes castradores serem criados. Acho que todo poder é castrador. Se conhecimento é poder, como podemos gerenciar isto?
Um grupo de estudantes de história da unesp resolveu gerenciar isto de um jeito, pelo menos, diferente. Vai que a moda pega:

03/08/2005 - 09h28

Alunos defecam diante do reitor da Unesp

da Folha de S.Paulo, em Ribeirão Preto

Um grupo de estudantes da Unesp (Universidade Estadual Paulista) de Franca escolheu ontem um modo de protestar inusitado: diante do reitor Marcos Macari, eles defecaram, urinaram e vomitaram no salão nobre. Os estudantes podem ser expulsos.

Formado por sete alunos de história, o grupo interrompeu uma reunião em que Macari falava sobre projetos para Franca. "Caríssimo reitor: vamos mostrar toda a realidade do campus", anunciaram.

O grupo disse que o protesto --uma "intervenção artística"-- foi planejado por dois meses. Uma comissão de sindicância foi aberta para apurar o caso.
(saiu de http://www1.folha.uol.com.br/folha/educacao/ult305u17664.shtml)

terça-feira, agosto 02, 2005

a vida é feita de coisas lindas...


Zezo e Bio...
Fazem parte da manutenção de meu sorriso..

blog coletivo de professores!

Um dia desses eu estava falando com Sidiney q o nome deste blog estava me incomodando: "diários da reflexão DE professores" e que eu havia mudado para ".. ENTRE professores" pq eu acredito na colaboração e na reflexão conjunta como elemento de formação...
mas estava tão difícil de achar blogs de professores que se dispunham a falar sobre suas práticas docentes, que dirá verificar trocas...
E olha o q eu descobri hj:
http://blogdosindocentes.blogspot.com/
São quatro professores-blogueiros que postam:
caras conhecidas e outras nem tanto...

segunda-feira, agosto 01, 2005

veja: meu amor

É sempre bom saber que tem outros que partilham de algumas opiniões minhas:
http://www.consciencia.net/midia/revistaveja.html

e vcs viram a fantástica opinião q um economista deu nesta última revista qto a educação?

Não consegui deixar de mandar o comecinho:
"Educação baseada em evidência por Claudio de Moura Castro"
(p quem quiser, o e-mail do sacana é claudiodmc@attglobal.net)
"Se consultarmos um médico bem formado, uma vez feito o diagnóstico, ele vai decidir a terapia com base na experiência passada com pessoas que portavam a mesma síndrome e tomaram diferentes remédios. Será receitada aquela droga cujas estatísticas de sucesso são maiores
do que as alternativas disponíveis. Decide a evidência, enão a palavra do luminar ou a tradição. É a medicina baseada na evidência. Seria de imaginar que, na sala de aula, o critério fosse o mesmo. A evidência do que deu mais certo orientaria a escolha do método de alfabetizer, do livro ou da forma de ensinar. Parece lógico, funciona na medicina. Mas o professor não busca a evidência acumulada para orientar sua sala de aula. Uma possível explicação para isso é que a evidência científica é incontrolável e pode revelar verdades desagradáveis"
...

e o "ponto de vista" segue recheado de pérolas, tipo:
"Os alunos de professores que cursaram magistério ou pedagogia têm notas piores do que os de professores que possuem diploma superior em outra carreira. Aprende mais quem aprende com quem não é professor?"
Ele se basea nos dados do Saeb, que, segundo ele, "é uma prova tecnicamente bem-feita e impecavelmente aplicada", seria um "termômetro" que dá um "sinal de alarme" e que ainda "Todavia, como está denunciando verdades particularmente desagradáveis, não podemos esperar que os prejudicados tomem iniciatias"...


Que acham?

quinta-feira, julho 28, 2005

a técnica como processo histórico e construção social

Olha o materialismo histórico de Marx aparecendo no livro de Castoriadis:
"A autogeração pelo trabalho é criação pelo homem do homem e do mundo humano, mediatizado pelos objetos" 242
Assim
"A técnica é criação enquanto desdobramento de racionalidade" 242
A racionalidade seria a postulação de uma natureza "científica", que o homem aprende a conhecer; e das necessidades humanas.

quarta-feira, julho 27, 2005

Governo Francês paga p circuncidar africanos e submetê-los a infecção por HIV

Esse povo da saúde é cruel!
acho que essa notícia poderia se chamar assim: Governo Francês paga p circuncidar africanos e submetê-los a infecção por HIV

Imagine se esta moda pega: pessoas circuncidadas para prevenir aids!

http://br.news.yahoo.com/050727/25/w1ok.html

ciência e tecnologia: articulação possível na escola?

como vc acha q as tecnologias se articulam com o ensino de ciências?
nas áreas duras ciência e tecnologia são intrínsecas, mas na escola a tecnologia serve só de ilustração de um ensino que parece contação de história...
é q eu estava pensando em o q uma aluna me disse outro dia: eu pedi q eles fizessem um planejamento de aula de sua disciplina articulando o conteúdo com tecnologias... essa aluna, de matemática, teve uma dificuldade danada: ela queria ensinar trigonometria e só encontrou tecnologias que fossem "ilustrativas", nada que construísse realmente algo novo, algo q fizesse diferença...
mesmo com ou sem computadores na escola, acho q vai mais da concepção q os professores trazem
fico pensando, não tem como fazer ciência sem tecnologia, mas na escola isso parece tão distante...
Comentei isto com um amigo e ele disse:
"tem que fuçar, procurar, ousar, compartilhar, mudar... querem de mão beijada, mas nao eh assim q funciona, neh?"

acho até q nem querem de mão beijada, muitos até tem vontade de mudar(apesar de todas as dificuldades cotidianas), mas não sabem p onde ir, não tem nada q mostre algum caminho (q tb não é único..), muitos nem imaginam q a tecnologia pode servir para outra coisa q senão ilustrar....
até o laboratório de ciências serve só p "comprovar" a teoria "dada" em sala de aula, e não como espaço de experimentação...

técnica: o homem faz o que não se faz de sozinho

Lendo Castoriadis, encontrei o seguinte:
"Se a techné efetua o que a natureza está na impossibilidade de realizar, (...) é atualização não natural do possível que não pode ser natural, por intermédio deste agente particular, o homem, cuja physis própria contém precisamente a virtualidade de atualizar o virtual da physis em geral"

terça-feira, julho 26, 2005

Blogs: partilhar para aprender com os outros

"A difusão da utilização dos blogs tem estado associada a esta aprendizagem que vai passando de uns para outros. Ou seja, a capacidade de incorporar o que outros aprenderam, sem termos que ir percorrer todos os passos."(post de Terça-feira, Março 8)Mônica
http://www.outroespaco.blogspot.com/

referências p olhar depois:
Blood, R. (2000). Weblogs: a history and perspective. Rebecca's Pocket. 07 September 2000.
#
Brown, J. S. (2000). Growing up Digital: how the web changes work, education, and the ways people learn. Change, March/April, pp.11-20.
#
Efimova, L. e Moor, A. (2005). Beyond personal webpublishing: An exploratory study of conversational blogging practices. Proceedings of the Thirty-Eighth Hawaii International Conference on System Sciences (HICSS-38), 3-6 January.
#
Granado, A. e Barbosa, E. (2004). Weblogs: diário de bordo. Porto Editora.
#
Mortensen, T. e Walker, J. (2002). Blogging Thoughts: personal publication as an online research tool. Oslo: Conference proceedings of Research ICTs in Context, pp.249-279.
#
Paquet, S. (2003). Personal knowledge publishing and its uses in research (Part I).
#
Querido, P. e Ene, L. (2003). Blogs. Lisboa: Centro Atlântico.
#

alfabetização ou letramento digital?

É através da fala que criamos e moldamos os nossos relacionamentos. Tannen (2001)
TANNEN, Déborah. I Only Say This Because I Love You. Nova Iorque: Random House, 2001.

"um simples tb pode significar "Estou com pressa", "Faço parte do seu time, pois escrevo como você" ou "Não estou nem aí para o que você pensa de mim, pois escrevo do meu jeito". E o significado dessas duas letras pode ser diferente para quem escreve e para quem lê."

http://www.educacional.com.br/articulistas/betina_bd.asp?codtexto=619

Espaço simbólico

Hj eu estava lendo um artigo de José Ribeiro (COMUNIDADES VIRTUAIS ELETRONICAS CONVERGENCIA DA TECNICA COM O SOCIAL)
e ele fala uma coisa interessante:
VI. A Técnica e o Social: aspectos complementares na produção da dinâmica social nas Comunidades Virtuais Eletrônicas
Analisando a BBS Communitree
"
Naturalmente que tal projeto só foi possível devido à presença de um espírito comum, ou pela “emergência de um projeto comum” (Palacios, 1995) agregava os membros daquela comunidade. Com o aparecimento de outros usuários – que não compartilhavam das mesmas preocupações e se mostravam movidos pelo fascínio da curiosidade de vivenciar algo novo – a dinâmica de funcionamento interno foi profundamente alterada, uma vez que foi estabelecido um clima de hostilidade e de disputa de poder entre dois grupos distintos (os visionários e os bárbaros – Stone, 1995) que procuravam ocupar o mesmo espaço de discussão (variável social). Mas como essa disputa foi instituída sem a presença de um espaço físico a ser conquistado? Parece-nos que ela foi efetuada pelo desejo de ocupação desse território simbólico e teve lugar através da aquisição e apropriação de conhecimentos técnicos que pudessem estabelecer diversas formas de controle (de acesso, de performance, de funcionamento do sistema, etc.)." pg 11

http://www.intercom.org.br/papers/xxiv-ci/np08/NP8RIBEIRO.pdf.

segunda-feira, julho 25, 2005

Proximidade

"Pela qualidade de suas fontes e pela proximidade delas com os fatos, VEJA decidiu narrar o que se leu aqui" (leia o post anterior)

Fiquei rindo por dentro ao ler esta frase que, na hora, me pareceu meio estúpida. Depois, caí na real: não é exatamente isso que fazemos em nossas teses e dissertações?

Brinde? Veja!

Faz algum tempo que eu estava pensando em assinar uma dessas revistas semanais, tipo Época ou Veja. Estava dando um tempo p ver qual que eu mesmo queria. Sempre achei a Veja meio estranha e só não fiz a assinatura da Época por... sei lá por que!
Na semana passada o dôido do porteiro interfonou lá p casa perguntando se lá morava uma tal de Adriane. O susto foi maior ainda qdo ele disse p eu pegar minha Veja. "Mas eu não assino Veja!"
Olha como a Abril é "boasinha": me dão 6 semanas de revistas p tentar me convencer a fazer a assinatura... Enquanto isso vou aproveitando o brinde e encontrando algumas pérolas:
Agora só sabem falar de mensalão. Em meio a malas, dinheiro q ninguém sabe de onde veio e p onde ia, muito tititi, a revista resolve "contar A verdade". No fim da reportagem (que na verdade era uma sequência de reportagens, cada uma terminando dizendo alguma coisa do tipo "veja mais sobre isso na próxima reportagem") tinha isso:
"Pela qualidade de suas fontes e pela proximidade delas com os fatos, VEJA decidiu narrar o que se leu aqui"
Qual será a "proximidade" de Veja e o mensalão?
Será a mesma da RedeGlobo?

sexta-feira, julho 22, 2005

Provérbio

Hoje ouvi um sábio proverbio. Quem falou foi um amigo meu (q não vou dizer quem é p não comprometer... ;) ), indignado pq seu superior lhe perguntou pq as coisas não funcionavam. Bem, foi esta a resposta q ele pensou em dar:

"Amarra-se o burro conforme o gosto do dono"

hehe

segunda-feira, julho 18, 2005

Qual o poder da indiferença?

às vezes trabalhamos sozinhos pq os outros nos são indiferentes, ou somos indiferentes aos outros, ou nossos objetos são tão nossos que ninguém tem interesse de compartilhar...

fico pensando se às vezes os outros não nos são indiferentes se não abrimos espaço para a participação dos outros

fiquei pensando nisso qdo conversei com uma pessoa q falava q as outras pessoas eram indiferentes ao seu blog, então ele não refletia junto com outras pessoas.
assim me pareceu q a indiferença nos faz caminhar sozinhos....

Qual o poder da indiferença?

Olhar, diálogo e construção

Finalmente parece que estou achando blogueiros brasileiros que falam sobre prática pedagógica.
Acho que para falar sobre a reflexão entre professores em ambientes web, tenho que falar sobre:
* Contexto de formação de professores e reflexão (estrutura curricular das licenciaturas, a prática de ensino, relação - ou falta de - entre teoria e prática, a perpetuação da idéia de professor como detentor do saber...)
* Reflexão em diários e outros ambientes web, diálogo
* Ambientes web e suas especificidades
* A técnica dos meios
Para gerar este olhar, foi necessário fazer uma adaptação de algumas teorias metodologógicas, afinal, é o desvelar de um painel bem específico, onde somente um diálogo formado pelo contexto e as teorias pode dar conta.
Isto tudo para tentar entender um pouco mais sobre a reflexão coeltiva, em contexto, em ambientes web. Olhar, diálogo e construção...

sexta-feira, julho 15, 2005

Transição

Sabe aquelas horas q vc sente q está mudando de uma fase para outra? É assim q estou me sentindo.
Nesta semana acabaram minhas aulas do mestrado. Terminei meus créditos teóricos, atividades, tudo. Terminei tb o tirocínio. Agora faltam algumas pendências ainda do semestre (fazer o artigo sobre técnica, uns outros artiguinhos q estão pendentes, lançar as notas dos alunos do tirocínio..) e coisas p providenciar p o próximo (o evento da migração). Nas férias vou ter de providenciar tudo p qualificar e mandar p o paped. Semestre q vem fico só com pesquisa orientada, ou seja, coletar dados, analisar, escrever...
Depois da primeira semana de aula acho q vou ter uma folga e pretendo fugir p ver minha mãe, faz mais de ano q não vejo a bichinha... Aliás, toda minha familia! Estou me sentindo a pessoa mais desnaturada deste mundo!
P falar a verdade, estou me sentindo meio deslocada. Sabe qdo vc sente a necessidade de cuidar de alguma coisa? Se eu não estivesse morando naquele cubículo, juro q providenciaria um bichinho... Mas acho ruindade submeter outra alma viva àquelas condições... Pensei em uma planta, pensei até em um bonsai (sabe, demora tempo, tem q ficar cuidando o tempo todo...) mas não tem luz nem ventilação p isso. Acho q vou providenciar uma daquelas plantas de banhado, q vive em qqer condição, daquelas q dá até p dar banho...

quinta-feira, julho 14, 2005

A reflexão em blogs é condicionada pela técnica?

Ainda agustiada de terça: na aula de Ciberfilosofia, levei a questão de que os conteúdos (e consequentemente as reflexões em) veiculados nos blogs, em parte, são condicionados pela técnica. Ou seja, vc não vai fazer nada que o servidor não lhe permita.
Temos exemplos disso naqueles blogs em q o servidor só permite que comentem os sócios do blog(se não me engano é o sapo q é assim), ou aqueles que permitem só uma postagem por dia (como o do ig). Pensando assim a técnica é condicionnte do conteúdo.
Por outro lado, é apenas um dos condicionantes. Entre os outros, podemos citar a formação de professores historicamente constituída, os interesses dos indivíduos que ali postam, a cultura vigente...
Então, André Lemos (o professor) me questionou o seguinte: se estas incapacidades causam algum "constrangimento", pq o usuário não abre outro blog?
Fiquei meio sem argumento e ele continuou:
Imagine a escola como um artefato. Em que tudo na escola é artefato. Alguns artefatos já estão naturalizados na cultura/cotidiano das pessoas (quadro, pincel, cadeira...) não causando mais "constrangimento". Outros artefatos/fenômenos, novos, ainda não são apropriados pelas pessoas, "constrangendo" o meio. Sendo assim, as limitações técnicas dos blogs são condizentes com todos os artefatos em processo de apropriação.
Outra coisa que me levou a pensar foi: mesmo com certas limitações, o usuário não muda de servidor (só em casos estremos), pois as limitações mais básicas são dribladas. Um exemplo disso é o próprio blogger, que, até bem pouco tempo atrás só permitia inserir imagens q já estavam em outros sites, mas acabava que a maioria conseguia colocar tudo o q queria, de um jeito ou de outro.

Coisas p pensar mais:
o formato constrange o meio
a comunicação deixa de ser palestra p ser conversa
suporte técnico e gênero - diário de papel e blog
macrodeterminismo e microapropriação (Leo)

Referências para falar disso: Castoriadis, Spengler, Stiegler, Simondon

terça-feira, julho 12, 2005

Repercussão cultural e social dos blogs

Matéria de anteontem do Liberation
http://www.liberation.fr/page.php?Rubrique=BLOGS
(acho q realmente preciso investir nas aulas de francês... ;) )

O Fenômeno dos blogs em Portugal

Hoje Alexandre Mota me mandou um blog interessante
http://seminarioinvestigacao.blogspot.com/
ele traz anotações sobre os blogs em Portugal
Ele ficou sabendo deste blog através deste outro

http://viriatos.blogspot.com/2005/07/os-blogues-em-portugal.html



A questão da técnica - comentário

Vendo tudo isto, a Su comentou o seguinte:
Já andei pensando sobre algumas destas questões e, um certo dia, escrevi isso:
A conhecida afirmação de McLuhan: "o meio é a mensagem" tem sido interpretada por alguns como uma subordinação do conteúdo à forma e, por outros, como uma mútua determinação entre forma e conteúdo. Estas interpretações tem em comum o tratamento dicotômico entre forma/conteúdo, meio/mensagem, significado/significante,... Um pensamento tipo causa->efeito que emerge mesmo nos discursos mais complexos. Marx mostra a atualidade de seu pensamento no tratamento de forma/conteúdo como opostos dialéticos. Em termos marxianos, forma e conteúdo coexistem nas suas relações. Um mascaramento da realidade pode tornar opacas estas relações, invertendo, sob esta ótica dual, o significado pelo significante, "o dinheiro se torna o objeto do próprio desejo". Meio e mensagem se implicam dialeticamente. O formato de um blog condiciona de certa forma a qualidade e quantidade num post, influindo, assim, no seu conteúdo. O tipo de conteúdo influi na escolha do template de um blog, também. Este movimento vai gerando novas sínteses, num processo que podemos acompanhar pelos arquivos. A técnica é obra humana, construída quando homens e mulheres constroem a própria vida e que, dialéticamente interfere nesta construção. É impossível separar o homem e suas técnicas entre si e da totalidade onde se inserem. Porém, gostaria de te perguntar o que queres dizer com "os blogs não foram criados para isto". Blog formato de publicação? Blog software? abraço, Suzana 2:29 PM

Adriane disse... Olá su gostei de seu comentário, será muito proveitoso! Vc pergunta sobre "os blogs não foram criados para isto"... Encontramos aí uma ressignificação: de uma febre de fazer um diário secreto às avessas, os blogs passaram (não sei se dá p fazer esta relação de tempo)a veicular muita informação, usada muito em jornalismo por exemplo. A resignificação a que me refiro está no momento em que professores, formados em arcabouços de saber, resolvem aceitar seus não-saberes, suas dúvidas angústias, torná-las públicas, refletir para tentar construir coletivamente novas alternativas para a educação. Nisto encontramos professores falando sobre problemas (ou simplesmente fatos) cotidianos e utilizando isto como instrumento de formação contínua. Daí que eu falo que os blogs não foram criados para isso... Abraços Adriane 11:52 AM

A questão da técnica III

Ambientes web onde acontece reflexão entre professores: relações que vão além da técnica
-ambientes que não foram criados para isso: ressignificação
-é só ferramenta
- agir/ler o mundo -especificidades dos ambientes que “moldam” a reflexão

1. Formação de professores construída historicamente da relação dos sujeitos com o mundo, e que, de tempos para cá, as relações com as técnicas tem se estruturado, mostrando novas demandas e possibilidads 2. A reflexão entre professores é, em parte, “moldada” pelas possibilidades impostas pela técnica de ambientes que não foram criados para isso (ressignificação): os ambientes geram uma forma de ler e agir sobre o mundo.
3. A reflexão entre professores vai além da técnica, sendo relações humanas que vão se estabelecendo de uma maneira específica. Sendo assim, o espaço web é técnica, mas a refexão entre professores que acontece ali vai além disso, dependendo dos interesses dos indivíduos que ali se relacionam e se forma Para além da técnica: espaço web como um dos condicionantes da reflexão entre professores, um entre outros.
Conclusão - A estrutura dos ambientes determina parte da reflexão entre professores, mas ela vai além disso, sendo ressignificado por pessoas e fazendo emergir novas possibilidades de formação e relacionamento. ?É a capacidade humana de ressignificar as técnicas que gera seu desenvolvimento? Se for assim, é as técnicas que melhoram a vida das pessoas, ou as vivências das pessoas que propulsionam o desenvolvimento das técnicas? Desenvolvimento das técnicas ou dos homens (?será que podemos dizer que os homens evoluem por já nascerem na sociedade com tal desenvolvimento da técnica e tecnologia? Será que podemos dizer que máquinas evoluem ao acréscimo/remodelagem de pensamento humano?)?

A questão da técnica II

Refletindo sobre as discussões da disciplina Ciberfilosofia e o andamento de minhas coletas de dados da dissertação, me deparei com uma série de inquietações. Bom, estou dirigindo meu olhar para diários eletrônicos (weblogs) onde acontecem reflexões de professores sobre suas atividades docentes, tendo visto que estes meios podem favorecer a reflexão coletiva e construção de objetos cooperativos. Porém, tenho notado que estas reflexões e construções acontecem dentro das possibilidade/limitações do site, que serve de suporte e acaba “moldando” o produto ali gerado. É sempre bom lembrar que os blogs não foram criados para isto, mas os homens, em sua capacidade investigativa e criativa, provocaram uma ressignificação, às vezes mudando os servidores de blogs e indicando, em um processo coletivo e historicamente situado, limitações e possibilidades. Sendo assim: ? É a capacidade humana de ressignificar as técnicas que gera seu desenvolvimento? ? Se for assim, é as técnicas que melhoram a vida das pessoas, ou as vivências das pessoas que propulsionam o desenvolvimento das técnicas? ? Desenvolvimento das técnicas ou dos homens (?será que podemos dizer que os homens evoluem por já nascerem na sociedade com tal desenvolvimento da técnica e tecnologia? Será que podemos dizer que máquinas evoluem ao acréscimo/remodelagem de pensamento humano?)? Inquietações...

A questão da técnica

Falamos tanto em técnica e eu, na minha coleta de dados da dissertação, vejo que as estruturas técnicas dos servidores de blog "modelam" os conteúdos ali produzidos/publicados (vc não vai fazer nada que o servidor não lhe deixe fazer). Olhando assim, o meio É a mensagem. Porém, o que vejo também é que a técnica é só UM dos determinantes. Junto a este, se agregam fatores políticos, sociais, econômicos, culturais, emocionais... ou seja, tudo aquilo que faz do homem um ser pensante (?racional?) e atuante do mundo, produtor de conteúdo. Assim, a técnica deixa de ser o principal estruturante.

segunda-feira, junho 13, 2005

enderecos

correndo, correndo....
dei uma fugidinha da disciplina de Projeto de Dissertacao soh p contar q jah escolhi quais blogs q quero olhar, estou juntando os e-mails dos donos p mandar um convite (q jah mandei p boni e ela me devolveu...)

bjs
dri

segunda-feira, maio 23, 2005

Era da esperança

Poxa, faz um ano que estou estudando blogs e ainda não tinha feito uma apresentação no meu blog sobre o projeto!
Bom, na pressa, estou colocando o texto que faz relação do documentário "A era da esperança" com o meu projeto...

Cena do relógio, que inicia o filme:
“O século 19 está terminando. No coração da Europa, antigas dinastias mantêm-se no poder. É um mundo estável, sólido, mas desigual. A maioria do povo ainda aceita que deve labutar e não compartilhar, servir, e não questionar. Tudo isto está para mudar...”

E realmente mudou. O filme retrata um cenário de mudanças que demonstra que “a solidez do mundo está se desfazendo”. A ciência era, ora vista como a que transformaria a vida doméstica e profissional, ora vista como detentora de “soluções” em busca de melhores condições de vista, muitas vezes usada como dispositivo de poder e para aumentar o prestígio nacional e a supremacia econômica. As tecnologias, sempre ancoradas na ciência e nas demandas sociais, também demostra-se como dispositivo de poder e dominação ao mesmo tempo que alavanca o progresso (novas formas de transporte, eletricidade, cinema, parques, imprensa, indústrias, armas, anticoncepcionais...)
O século 19 e 20 ajudam a formar o quadro que hoje vemos: hoje pensamos mais em qualidade de vida (afinal, o mundo está se acabando), nem sempre o saber dito científico é o mais valorizado, novos meios de comunicação e produção de conhecimento dão uma nova relação para o saber. Temos, facilmente, acesso a grandes bancos de dados. Passamos a ter consciência de que estamos em um contexto específico e com suas diversidades, que não comporta generalizações. Sendo assim, a educação encontra-se em um contexto bem diferente daquele do século 19, onde era visto como promissor a educação das massas (ou em massa). Se faz necessário significar localmente os saberes e projetar globalmente, ir em busca de soluções para nossos problemas e da comunidade (globalidade?), estar sempre atento a tudo que nos rodeia, o que nos leva a dialogar com os mais variados contextos.
Para que o professor dê conta desta nova significação para a educação, é necessário que este se reconheça como um ser inconcluso, que não detém verdades absolutas e eternas, que reconheça seus não saberes. Assim o professor passa a assumir o papel, não de “repassador de verdades”, mas de “animador dos coletivos inteligentes”, sendo um orientador que cria ambientes favorável à busca de saberes e ressignificações. Este sujeito só conseguirá se estabelecer como um sujeito em construção se se dispor ao diálogo e à reflexão. Porém, para que isto se estabeleça, é necessário que o sujeito disposto a isto encontre outros sujeitos também dispostos, o que nem sempre encontramos na mesma escola ou grupo de amigos. Assim, junto com uma ressignificação de espaço e de tempo, faz-se promissor o diálogo e a reflexão em ambientes eletrônicos, a internet.

Sendo assim pretende-se investigar se
Acontece a reflexão de professores através do diálogo na web? Se isto acontece, qual a influência dos diferentes ambientes para a reflexão entre professores?

Para estudar a REFLEXÃO ENTRE PROFESSORES EM AMBIENTES WEB pretende-se participar e analisar ambientes na web que dispõe espaço para que professores dialoguem e reflitam sobre suas práticas docentes, estudando cada caso com suas especificidades e tentando projetar perspectivas para novas práticas de formação contínua de professores inseridos em um contexto de mudança.
Estou olhando para caos espontâneos de diálogo entre professores na web, tais como chats, blogs, comunidades virtuais, sendo que muitas vezes estes se entrelaçam e fica difícil delimitar o âmbito de um ou outro.

Os resultados parciais vêm demonstrando que cada ambiente web tem suas especificidades, significadas de diversas formas pelas pessoas que ali se encontram. Cada vez que as pessoas descobrem alguma possibilidade de um ambiente, calam tantas outras possibilidades, o que muitas vezes é uma opção política dos desenvolvedores do site. Estas formações nos indicam que a prática docente está se reconfigurando e que os professores estão se abrindo para o diálogo e participam de uma cultura contemporânea que é o diálogo em ambientes web, demonstrando alternativas para uma busca contínua de reconstrução de saberes e (re)formação docente.

Voltando ao filme, vemos que hoje “a história do mundo é (feita e) contada pelas próprias pessoas”. Acho que o fim disto vai ser bem diferente do Titanic: “e depois veio o silêncio” (fala de uma entrevistada no documentário), ao conrário, vejo cada dia mais o valor da voz dos professores que pedem ajuda e navegam juntos formando novas redes de relacionamentos e saberes.

sábado, março 19, 2005

Diários da reflexão de professores

Tema de pesquisa: espaços virtuais de reflexão entre professores